1 de novembro de 2014

Os arrepios da terra

João Glama Stroberle, Alegoria ao Terramoto de 1755


Bruxas & terramotos

A bruxa tem os cristais guardados nos bolsos fundos da saia, deles sentindo na carne a brasa gelada e a cintilação cega, que lhe chameja o corpo. Inspira com precaução o ar, toma-lhe o gosto a salitre, fareja-o, nele detetando o enxofre, o húmus contaminado pelo revolvimento que em breve há de vir das entranhas das terras, das águas sulfurosas e das pedras que ali já fez secar as fontes.

Depois de se ter debatido noites seguidas com os próprios poderes e presságios, delirando com a febre alta que provoca convulsões e lhe repuxa as feições, a bruxa nas suas alucinações viu ruir Lisboa, escutou o urro imenso subida das entranhas da terra, os gritos aterrados das pessoas em fuga pelas ruas em chamas, ouviu os estertores das que ficaram estendidas, esmagadas debaixo do estuque e das lajes, dos mármores dos palácios, dos altares e santos das igrejas, deu conta do pavor daqueles que eram tragados pelas fendas enormes que se abriam no chão a engolir tudo, casas e carros, e também aqueles que tombavam, tropeçando nos escombros.

Sentiu o estômago revoltado pelo intenso cheiro a vulcão recolhido que andava no ar espesso de fumo acre, a fundo lodoso de rio, a chuva envenenada, ao sal ácidos das ondas de um mar revoltoso. Procurou em vão defender-se das queimaduras das cinzas que tombavam do alto, como se fossem neve parda, escaldante. E quando finalmente voltou a si, aterrada, reuniu os poucos haveres numa trouxa, guardou dentro dela, também, as cartas de adivinhar futuros, os cristais nos bolsos da saia imunda, embrulhou-se na manta de lã cardada, abandonou a cabana de terra batida e saiu da cidade, entregando-se ao destino que a guiou, ainda cambaleante, pelos caminhos do Campo Pequeno…

Maria Teresa Horta, As luzes de Leonor (2011: 32-33)

3 comentários:

  1. Um excerto brilhante, de um livro que ainda não li... É uma descrição aterradora de um terramoto pintada de visões coloridas pelos olhos de uma bruxa... ou de alguém que consegue ver mais que o seu semelhante, com os dons premonitórios dos animais em situações catastróficas! Uma sugestão de leitura fascinante! Lembra-me excertos do romance de Clara Pinto Correia, "Os mensageiros secundários", que se reveste de uma aura mágica na descrição de fenómenos secundários que avisam sobre acontecimentos trágicos como terramotos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A leitura do livro impõe-se, muito lenta, para que a prosa poética associada à poesia integral que lhe dão corpo dure, dure, dure. Mil e cinquenta páginas dum prazer completo...

      Eliminar
  2. Um fantástico excerto de uma obra ímpar!

    ResponderEliminar