8 de dezembro de 2014

Estudar ou não estudar

LUÍS ANTÓNIO VERNEY

(Lisboa, 1713 — Roma, 1792)
Quanto à necessidade, eu acho-a grande que as mulheres estudem. Elas, principalmente as mães de família, são as nossas mestras nos primeiros anos da nossa vida: elas nos ensinam a língua; elas nos dão as primeiras ideias das coisas.

E que coisa boa nos hão de ensinar, se elas não sabem o que dizem? Certamente que os prejuízos que nos metem na cabeça, na nossa primeira meninice, são sumamente prejudiciais em todos os estados da vida; e quer-se um grande estudo e reflexão para se despir deles. 

Além disso, elas governam a casa, e a direção do económico fica na esfera da sua jurisdição. E que coisa boa pode fazer uma mulher que não tem alguma ideia de economia? 

Além disso, o estudo pode formar os costumes, dando belíssimos ditames para a vida; e uma mulher que tem alguma notícia deles pode, nas horas ociosas, empregar-se em coisa útil e honesta, no mesmo tempo que outras se empregam em leviandades repreensíveis. 

Muito mais, porque não acho texto algum da Lei, ou Sagrada, ou Profana, que obrigue as mulheres a serem tolas; e não saberem falar.
Luís António Verney, Verdadeiro método de estudar (1746)

6 comentários:

  1. Uma defesa brilhante do direito das mulheres ao estudo! Há povos que precisariam de um professor / filósofo desta envergadura, para que as ideias retrógradas mudem e os países beneficiem disso. Afinal, ainda são as mulheres que estão mais presentes em casa, a educar os jovens que serão o futuro das nações...

    ResponderEliminar
  2. O texto é mto interessante na medida em que o autor preconiza a educação das mulheres, não para seu desenvolvimento pessoal, mas como uma ferramenta mais para as mulheres desempenharem o papel que a sociedade de então esperava delas. Enfim...

    ResponderEliminar
  3. Embora o objetivo de L.A.Verney em educar as mulheres tenha tido em vista, não o seu desenvolvimento pessoal, mas sim a importância dessa formação no desenvolvimento cultural dos filhos, foi pelo menos simpático para elas, reconhecer que, apesar de não saberem o que diziam e de todos os prejuízos que metiam na cabeça dos filhos (homens), seriam o veículo mais importante para cumprir esse objetivo.

    ResponderEliminar
  4. Acho que devemos alguma coisa a este LAVerney! Mesmo nessa época, alguém deve ter começado a olhar para nós do modo que ele queria... Um peão importante na educação dos filhos... Foi Bastante, não?
    O objectivo de LAVerney seria naturalmente só o de proporcionar uma melhor educação para os jovens varões. Mas consciente ou inconscientemente, e reside aqui a dúvida, estava a dar início a um movimento que jamais teria retorno...

    ResponderEliminar
  5. O saber não ocupa lugar, por isso...estudar sim, pena que por cá seja sinónimo de emigração ou desemprego.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De qualquer modo, mais vale imigrar alfabetizado que analfabeto.O movimento que o estrangeirado Verney ajudou a implementarem em Portugal dá pelo nome de Iluminismo. Todavia, para alcançar esse graude conhecimento pedagógico, também teve de viver a maior parte da sua vida fora do país natal...

      Eliminar