30 de janeiro de 2015

Era uma vez um contador de histórias chamado José…


Somos todos escritores, só que alguns escrevem e outros não…
José Saramago, O Globo (1997)
O percurso terrestre dos homens pode resumir-se à fórmula nasceu- -viveu-morreu. José Saramago (1922-2010) faz parte doutra categoria. Preencheu a parte central da viagem com versos e prosas registados na lembrança de quem os leu. Fê-lo com palavras adequadas e no momento certo. O trajeto pelas letras foi-se fazendo pelos sendeiros da poesia, conto e romance, pela crónica jornalística, pelas ribaltas do teatro, pelas pequenas e grandes memórias, pelos diários, cadernos e apontamentos, com incursões virtuais pelos universos da blogosfera. Na bagagem do viajante houve lugar para todos os géneros e formatos postos à disposição dos criadores das ideias escritas e declamadas. A obra fala-nos de mitos e contramitos bíblicos e helénicos, de amores e desamores laicos e divinos, de cavernas platónicas e de homens duplicados, de manuais de pintura e caligrafia, de ensaios da cegueira e da lucidez, das vicissitudes dum povo que se levanta do chão e se põe a navegar numa jangada de pedra ou a sobrevoar um convento real numa passarola de vime movida pela vontade das gentes. Livros que falam de livros e de histórias com história dentro, poemas possíveis deste mundo e do outro, poéticas dos cinco sentidos centrados numa ilha desconhecida ou na maior flor do mundo. E entre todos os nomes chamaram-lhe Saramago. Uma alcunha transformada em nome maior, a ombrear com os inventados da ficção, como Blimunda Sete-Luas e Baltasar Sete-Sois, para dar mais brilho ao realismo mágico das histórias fingidas e sentido real às verdadeiras que as inspiraram. Alegorias quotidianas projetadas ironicamente para a eternidade, premiadas em nome de Camões (1995) e Nobel (1998). Uma viagem de Azinhaga para Lanzarote com passagem pelo mundo. In nomine Dei ou dos homens que inventaram os deuses nesta terra de pecado para ser como eles e não ter mais nada que contar…
Artur R. Gonçalves, «Nota Biográfica»
(Faro, Universidade do Algarve - Fundação José Saramago, 2012: 43-44)

2 comentários:

  1. Uma recensão que tudo diz sobre Saramago, de forma pedagogicamente mágica. Um dos escritores que muitas boas e belas horas de leitura me concedeu e, por este andar, de muitas mais vou beneficiando, por ele inspiradas. Com muito prazer!

    ResponderEliminar
  2. Uma simples nota biobibliográfica em 300 palavras...

    ResponderEliminar