6 de outubro de 2016

Carlos Ruiz Zafón, Marina e os mistérios de Barcelona

«A veces dudo de mi memoria y me pregunto si únicamente seré capaz de recordar lo que nunca sucedió.»
Carlos Ruiz Zafón, Marina (1999)
Viciei-me na arte de contar de Carlos Ruiz Zafón com A sombra do vento (2001) e O jogo do anjo (2008). Li-os de seguida como se tratasse de duas partes da mesma obra. Depois, tal como muitos outros leitores da aldeia global, virei-me para os títulos mais antigos. A escolha recaiu em Marina (1999), um texto charneira situado na fronteira entre dois universos de escrita, o luminoso da novela de aventuras para jovens e o sombrio do romance gótico para adultos. Encontrei-o à minha espera numa livraria. Resgatei-o e dei-lhe vida ao ouvir tudo aquilo que tinha para me dizer. Revelou-me muitas coisas surpreendentes. Fico-me pelos meros apontamentos.

A revelação de enigmas guardados num cemitério dos livros esquecidos não voltou a ocorrer. Em contrapartida, o desejo de desvendar os mistérios de Barcelona, a cidade feiticeira, a metrópole modernista, onde as peripécias de contorno folhetinesco se vão sucedendo a um ritmo vertiginoso, ao sabor da imaginação do autor e prazer do leitor, repetiu-se mais uma vez. A fluência do discurso, o ritmo da escrita e a magia das palavras são os culpados. Avassaladores, inebriantes, únicos.

A pedra de toque novelesca é-nos transmitida por uma borboleta negra de asas abertas, gravada nos lugares mais bizarros ou a es-voaçar à volta das personagens mais nebulosas, nos momentos mais insólitos da intriga. Atrás de si paira sempre o fedor dos pân-tanos e dos poços envenenados. Pormenor reiterado à exaustão pela instância narrativa, a fim de balizar a luta sem quartel pela sobrevivência. É que, como é sugerido, a diabólica Teufel, habitante de torres, caves e túneis privados de luz, tem a capacidade de ressuscitar de entre os mortos. Enterra o corpo antes dessa meta-morfose macabra e alimenta-se depois das próprias crias.

Em termos gerais, o romance propõe-nos uma reflexão continuada sobre os mistérios da condição humana, através do relato alternado de três histórias de amor e morte: a nuclear de Óscar Drai e Marina Blau, a celestial de Germán Blau e Kirsten Auermann e a infernal de Mijail Kolvenik e Eva Frinova. Tudo somado, atravessam todo o Séc. XX e têm como pano de fundo privilegiado a malha urbana da cidade condal, convertida na efetiva protagonista das diversas peri-pécias trágicas que nela se vão traçando.

A ação central do livro decorre entre setembro de 1979 e maio de 1980, período simbólico de nove meses, durante o qual dois jovens de 15 anos veem nascer, crescer e fenecer um primeiro amor de adolescência. À distância confortável de quinze anos, o herói sobre-vivente revisita os locais onde os eventos se deram e confia as suas recordações às páginas de um diário pessoal, aquele que che-gou até nós sob a forma de um romance de aprendizagem.

Quando a leitura termina, esquecemo-nos de que todos os contos são mentiras, mas que nem todas as mentiras são contos, e senti-mos uma vontade muito forte de partir à descoberta de Barcelona, a cidade misteriosa, na esperança vã de vislumbrar o Grande Teatro Real, o Palacete de Sarriá ou a Torre do Parque Güell, ao encontro dos palcos em que se representaram as cenas mais marcantes do drama. Sentimos o impulso imperioso de nos sentarmos ao volante de um velho Tucker dos anos cinquenta, à procura da praia secreta virada para o Mediterrâneo, local idílico que os heróis pisaram uma única vez, a meio da sua história de amor, e onde Óscar verá lançar as cinzas de Marina, produto final da sua história de morte.

Carlos Ruiz Zafón confessa no prólogo que acompanha a reedição mais recente de Marina (2008) ser esse um dos seus livros favo-ritos, aquele que permanecia tão presente na sua memória como no dia em que o acabara de escrever (1997), rematando com uma ideia que depois incorporará na ficção, na boca da heroína. Afirmava esta que, por vezes, as coisas mais reais só acontecem na imaginação e que nós nos lembramos do que nunca aconteceu.

NOTA: Cruzei-me há dias com uma saga medieval de Ildefonso Falcones centrada na cidade condal de Barcelona e lembrei-me de imediato do contributo desenvolvido por Carlos Ruiz Zafón no âmbito deste género poético agora associado à variante da novela negra de contornos góticos. Após a primeira leitura desta Marina, compus um pequeno texto para o Pátio de Letras, que passado precisamente sete anos transfiro para este novo espaço da blogosfera, com as atualizações exigidas pelos efeitos do tempo no revestimento gráfico das palavras e como forma de prestar homenagem a um bestseller famoso com muitas histórias ainda para contar ou relembrar.

2 comentários:

  1. É sempre bom ler e reler os teus textos, Prof! Tal e qual como a leitura de um autor que nos fascina, que é o caso de Carlos Ruiz Zafón, as tuas resenhas avivam ou despertam a vontade de retornar à magia das páginas dos romances. A par de Ildefonso Falcones, este é um dos autores de leitura obrigatória, para quem gosta de um belo livro.

    ResponderEliminar
  2. Há verdades descritas como contos, nem todos conseguem entender essa verdade, daí dizerem que os contos são mentiras imaginarias. Fiquei curiosa, vou descobrir o livro.

    ResponderEliminar