20 de março de 2017

Primaveras de pureza e renovação

PRIMAVERA

Giuseppe Arcimboldo

[Musée du Louvre - Paris - 1573]

Quando os dias ganham fôlego e igualam as noites

A primavera é a estação do renascimento e da purificação da nature-za. Concreção periódica do mito do eterno retorno que nos faz so-nhar com o da eterna juventude. A morte a render-se à vida. Coisas de deuses e heróis oferecidas anualmente aos homens. Ilusão efé-mera situada entre a friagem invernal e a canícula estival.

Giuseppe Arcimboldo (1527-1583) alia-o a Adónis. Às flores frescas, às roseiras bravas, às margaridas silvestres. Deu-lhe o aspeto juve-nil de alguém que está enamorado da sua própria figura. Veste uma capa feita de elementos vegetais. Folhas, arbustos, musgo. O lírio escolhido como emblema simboliza a glória do amor sublimado.

As lições paradoxais que o maneirismo impôs na cultura quinhen-tista europeia mantêm-se atuantes nos nossos dias. A entrada num novo ciclo vital pressupõe também ele o início do fim. Tempus fugit. Os equinócios e solstícios batem-se entre si pelo predomínio dos dias e das noites. Miragem sazonal de luz e sombra. Nada mais...

2 comentários:

  1. Uma miragem que nos traz um fôlego novo, o que já não é nada mau. Esta sugestiva imagem de Arcimboldo transmite, mesmo, uma mensagem de frescura e de renovação.

    ResponderEliminar
  2. Esta é a minha estação do ano preferida, porque sou mais do tipo de criar, plantar, os dias começam a crescer, tudo aliás na natureza começa a despontar, a crescer em direção ao sol. Uma estação que tanto tem de delicado como de determinado.

    ResponderEliminar